Algumas indagações sobre o dinheiro

14/02/2018 20:55

            Se alguém tivesse apenas o direito a um pedido deveria escolher ser rico (ele é o bem mais precioso que existe)?

            Viver para ganhar (ser a razão e o sentido da vida) ou ganhar para viver?

            Possuí-lo ou ser possuído (a pessoa o tem ou ele tem a pessoa)?

            O valor de alguém é medido pela quantidade que tem (ele é o termômetro de quem a pessoa é ou representa)?

            Vale a pena guerrear, morrer, ser preso, vender o corpo ou perder o caráter para obtê-lo, mantê-lo e aumentá-lo (Não há outra saída)?

            O problema está na quantidade ou no apego (pode haver rico caridoso e pobre egoísta)?

            Para que ele serve (exerce uma função individual ou social)?

            Ele está sendo bem utilizado e distribuído (é gasto apenas com o necessário e está disponível para todos numa quantidade digna)?

 

Ciência Política / Espíritualidade e Política → Crônicas Sociais → Quando o dinheiro tem valor

Sobre o autor

Luciano Chacha de Rezende

é Analista do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul. Especialista em Direito Constitucional pela Universidade Anhanguera-Uniderp (LFG); Especialista em Direito Público pela mesma Instituição; Especialista em Direito Tributário pelo IBET.

contato: lucianochacha@gmail.com