Consciência e Justiça Divina

02/02/2022 19:08

Bom dia, amigos!

            N'O Livro dos Espíritos lemos que a lei de Deus está escrita em nossa consciência. Questão nº 621. Antes disso, na questão 466 dessa obra, somos informados sobre a influência de bons e maus Espíritos em nossas vidas quando, ao final, Kardec diz que é desse modo que Deus deixa à nossa consciência a decisão sobre qual escolha fazer.

            Na questão 835, somos informados de que a consciência é nosso "pensamento íntimo" que, de acordo com o que lemos na questão 875-a rege nossos atos da vida pessoal, haja vista que nem sempre o "direito instituído pelos homens é conforme a justiça".

            Essa ligeira pesquisa surgiu de nossa reflexão sobre o conto intitulado O enfermeiro, escrito por Machado de Assis. A história relata o caso de um velho coronel rabugento, muito doente, que era assistido pacientemente por um dedicado enfermeiro, que é o seu narrador.

            No início, o enfermeiro informa que, durante algum tempo, estudava teologia quando foi consultado, por carta de um padre, se aquele estava disposto a prestar serviços de enfermagem a um coronel chamado Felisberto em troca de um bom salário. Convite aceito, o enfermeiro viajou para a vila de residência do coronel.

            Chegando lá, ficou sabendo que o "homem era insuportável". Ninguém gostava dele. Todos os enfermeiros que cuidaram dele desistiram do emprego. Chegou mesmo a quebrar a cara de dois deles. Por esse motivo, o padre lhe pedira que agisse com paciência e caridade...

            O doente recebeu-o bem e disse-lhe que os enfermeiros anteriores eram preguiçosos, dorminhocos e que dois deles eram até "gatunetes", palavra que tomei emprestada de um amigo rico de Floripa, que desconfia de que quase todos os seus amigos e alguns parentes estão de olho no que ele tem...

            Tendo simpatizado com Procópio, o enfermeiro, o coronel disse ao vigário que, de todos os anteriores, esse era o melhor enfermeiro. Na primeira semana, correu tudo bem entre os dois, mas a partir do oitavo dia começou o "inferno" para Procópio: o doente não o deixava dormir em paz e o estava sempre ofendendo. O enfermeiro percebeu que o melhor meio de haver boa convivência entre ambos era obedecer em tudo ao coronel, homem mau e acostumado a humilhar todo o mundo.

            Após três meses de trabalho, o enfermeiro estava resolvido a deixar a casa do velho. Aguardava apenas uma ocasião favorável, que surgiu no dia em que o coronel lhe deu duas bengaladas. Procópio preparava sua mala, quando o velho o procurou para lhe pedir desculpas e implorar que ficasse, alegando que não valia a pena ir embora por causa de duas bengaladas de um velho rabugento. Falou-lhe, inclusive, que já estava para morrer e que não dispensava os cuidados do enfermeiro por nada.

            Nos dias seguintes, o coronel continuou a maltratar o enfermeiro, só o poupando das bengaladas, mas chamando-o de "burro, camelo, pedaço d'asno, idiota" etc.  O paciente não tinha mais parentes, e os amigos só o visitavam raramente e por poucos minutos.

            Algumas vezes, Procópio desejou novamente sair da casa, mas permaneceu, por insistência do vigário. Deu a este, entretanto, um mês de prazo para ser substituído.

            Certa noite, porém, o coronel enfureceu-se e chegou a ameaçar dar um tiro no enfermeiro. Acabou atirando-lhe o prato de mingau, que achou frio. O prato não atingiu o enfermeiro, mas estraçalhou-se na parede. Em seguida, o doente disse ao enfermeiro que este iria pagar pelo prato e acusou-o de roubo.

            Às 23 horas, o coronel adormeceu e Procópio passou a ler um livro, enquanto aguardava dar meia-noite para ministrar-lhe remédio. Adormeceu, também, e acordou com os gritos do doente, que lhe arremessou uma moringa ao rosto. A dor foi tanta que o enfermeiro atirou-se ao pescoço do coronel e, após lutar com este, acabou esganando-o.

            Procópio, aterrado, recuou e gritou sem ser ouvido. Tentou reanimar o coronel, mas percebeu que este havia morrido. O enfermeiro foi para a sala ao lado e só após duas horas teve coragem de retornar ao local do crime. Antes, relata o terror sentido naquela noite em que lhe repercutiam na mente vozes a bradar: "Assassino! Assassino!"

            E relata seu estado íntimo assim: "Tudo o mais estava calado. O mesmo som do relógio, lento, igual e seco sublinhava o silêncio e a solidão. Colava a orelha à porta do quarto na esperança de ouvir um gemido, uma palavra, uma injúria, qualquer coisa que significasse a vida, e me restituísse a paz da consciência." Confirmada a morte do doente, maldisse a hora em que aceitara aquele emprego.

            Em síntese, no dia seguinte, Procópio já desfizera a cena do crime, curara a pancada da moringa em seu rosto, maquiara e amortalhara o cadáver, para que ninguém percebesse as marcas de estrangulamento em seu pescoço. Então chamou o padre e o médico e permaneceu no local o tempo todo, simulando estar consternado pela morte do coronel... Como todos os que estavam presentes conheciam sua dedicação ao doente, ninguém suspeitou de seu crime.

            Mandou dizer uma missa em benefício do coronel, cuja celebração assistiu sozinho, por não ter convidado ninguém para o evento. Distribuiu esmolas na porta da igreja e, a todos que encontrava, falava sempre bem do coronel, chegando a contar anedotas engraçadas sobre o "velho". Depois, viajou para o Rio de Janeiro, com a intenção de não voltar mais à vila onde trabalhara.

            Sete dias após chegar ao Rio, entretanto, recebeu carta do vigário dizendo-lhe que achara o testamento do coronel e que ali o enfermeiro fora constituído seu único herdeiro. Procópio desconfiou se isso não seria mentira, e a verdadeira intenção fosse a de o prenderem, quando retornasse à vila. Ainda assim, resolveu conferir a informação e confirmou tudo o que lera na carta ao retornar àquele local.

            Durante anos, a todas as pessoas com quem conversava sobre o coronel, dizia que este era boa pessoa, que alguma coisa do temperamento deste era devido às rivalidades locais; e ao dizerem-lhe que o falecido "era o diabo" respondia que ele era, sim, um pouco violento. Com isso, ninguém concordava, pois todos sabiam da má-fama do coronel.

            Confessa ter feito algumas doações com o dinheiro recebido da herança, em especial para a "matriz da vila" e à Santa Casa de Misericórdia, além de mandar erguer túmulo à memória do coronel. Passados os anos, sem que ninguém desconfiasse dele, Procópio diz que não mais sentia os terrores de antes. Termina com esta ironia: "Bem-aventurados os que possuem, porque eles serão consolados".

            Não restam dúvidas de que, pelos relatos do personagem, ele passou longo tempo arrependido do seu ato, ainda que, até certo ponto, mais desejasse defender-se do que cometer um crime. Excedeu-se, entretanto, movido pela raiva, e isso depõe contra ele. Por outro lado, como foi explicado na questão 992 d'O Livro dos Espíritos, sempre se pode melhorar, quando se ouve a censura da consciência.

            Não podemos esquecer, porém, de que, conforme disse Jesus, não cai uma folha de uma árvore sem que Deus o perceba. Por outro lado, quem não é punido pela justiça dos homens um dia prestará contas à justiça divina.

 

Espiritualidade e PolíticaEspiritualidade → Crônicas Espíritas Consciência e Justiça Divina