Os falsos profetas ante a lei do amor

24/06/2020 19:36

            No capítulo XXI d'O Evangelho Segundo o Espiritismo, item 10, o Espírito Erasto, discípulo de Paulo, ao se referir a falso profeta do mundo espiritual, diz o seguinte:

 

[...] todas as vezes que um Espírito indica, como remédio aos males da humanidade ou como meio de conseguir-se a sua transformação, coisas utópicas e impraticáveis, medidas pueris e ridículas; quando formula um sistema que as mais rudimentares noções da ciência contradizem, não pode ser senão um Espírito ignorante e mentiroso.

 

               Esse comentário de Erasto, que também se aplica a nós, surge em decorrência do que Jesus já nos alertara sobre os "falsos cristos e falsos profetas". Precisamos ter cuidado, pois embora o Espiritismo nos informe sobre a inexistência de demônios no Plano Espiritual, sabemos, não somente pela leitura da obra codificada por Allan Kardec, como também das que lhe são complementares, que há Espíritos perversos, no Além, que tramam contra as leis divinas durante vários séculos. Diversas obras espíritas esclarecem-nos sobre isso, em especial citamos as obras do Espírito Philomeno de Miranda, que realizam excelente trabalho de esclarecimento espiritual a todos que as leem.

        Chega um dia, porém, que tais seres embrutecidos têm seu livre-arbítrio suspenso. É quando, ainda que Deus seja infinitamente bom, esses Espíritos percebem que Ele também é infinitamente justo. E, por ser assim, para o próprio bem de tais criaturas, encarnadas ou desencarnadas, surge a necessidade da correção severa desse Pai amoroso, que por tanto tempo aguardou que esses seus filhos réprobos abandonassem a rebeldia, saíssem das trevas e ingressassem na luz.

        Então, como lemos nesta quadra simples e espirituosa, para quem nada tem a temer, mas de inconteste verdade, o Espírito Casimiro Cunha, na obra Dicionário da Alma, psicografada por Chico Xavier, esclarece-nos:

 

Na verdade, Deus é bom,

Mas se o filho é rude e mau,

Por vezes, descem do céu

Pedra e fogo, corda e pau.

       

        E, como diz o Espírito Emmanuel, na mesma obra:

 

Seremos defrontados pelas arremetidas da sombra, pelas ciladas sutis do mal, pelos aguilhões do ódio, pelo veneno viscoso da discórdia e pelos tóxicos da incompreensão, entretanto, o nosso programa fundamental permanece traçado na revivescência do Evangelho Redentor.

 

        A Lei Suprema de Deus, que reside em nossa consciência, chama-se Amor. E foi por Amor que Jesus nos provou a imortalidade e nos deixou também este alerta: "Mete no seu lugar a tua espada, porque todos os que lançarem mão da espada à espada morrerão.” – Mateus, 26:52 (Bíblia Sagrada. Trad. João Ferreira de Almeida).

        Reflitamos nisso, optemos pelo bem, e seremos felizes.

 

Espiritualidade e PolíticaEspiritualidade → Crônicas Espíritas Os falsos profetas ante a lei do amor