Reflexões sobre a caridade

24/02/2021 15:19

        Segundo o Espírito Irmão X, "Em todos os tempos, há exércitos de criaturas que ensinam a caridade, todavia poucas pessoas praticam-na verdadeiramente"[1]. É certo que a teoria nos auxilia muito, quando seus conceitos elevados são postos em prática, mas também é certo que ainda é mais fácil divulgar as qualidades morais elevadas ao próximo do que praticá-las. Por isso, Paulo, em I Coríntios, 13:1, afirma: "Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine".

        Ainda o Irmão X ensina-nos como devemos praticar a caridade: "A caridade, antes de tudo, pede compreensão. Não basta entregar os haveres ao primeiro mendigo que surja à porta, para significar a posse da virtude sublime [...]"[2]. Realmente, é tão importante o sentimento de compaixão ao caído quanto a pura entrega de alguma moeda a ele. Então, completa o Espírito que: "É preciso entender-lhe a necessidade e ampará-lo com amor. Desembaraçar-se dos aflitos, oferecendo-lhes o supérfluo, é livrar-se dos necessitados, de maneira elegante, com absoluta ausência de iluminação espiritual" (id).

        Há quem julgue estar fazendo grande caridade ao pedir a outrem que auxilie alguém em penúria material ou espiritual. A esse respeito, o Espírito Neio Lúcio esclarece-nos: "A caridade, por substitutos, indiscutivelmente, é honrosa e louvável, mas o bem que praticamos em sentido direto, dando de nós mesmos, é sempre o maior e o mais seguro de todos".[3]

        A sublimidade da caridade é quando já somos capazes de nos sacrificar, em benefício do próximo, como o fez a viúva que se privou de duas moedas de ínfimo valor, mas que lhe representava "todo o seu sustento", segundo disse Jesus, e Marcos registrou em 12:41- 44.

        Devotamento e abnegação para com o próximo são as duas virtudes que representam a mais alta expressão do amor. Quando nós entendermos os sentidos que essas palavras representam, passaremos a praticar a caridade no seu mais profundo sentido. Então, onde quer que estejamos, com o que dispusermos, ante qualquer situação estaremos atentos à recomendação do Cristo: "Portanto, tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-lhes também [...]" (Mateus, 7:12).



[1] Irmão X (Espírito). Lázaro redivivo. Psicografia de Chico Xavier. Apud SOARES, Sylvio Brito. Pérolas do além. 5. ed. Brasília: FEB, 1992. p. 40, Caridade.

[2] _____. Pontos e contos. Psicografia de Chico Xavier. Apud SOARES, Sylvio Brito. Pérolas do além. 5. ed. Brasília: FEB, 1992. p. 41, Caridade.

[3] Neio Lúcio (Espírito). Jesus no lar. Psicografia de Chico Xavier. Apud SOARES, Sylvio Brito. Pérolas do além. 5. ed. Brasília: FEB, 1992. p. 41, Caridade.


 

 

Espiritualidade e PolíticaEspiritualidade → Crônicas Espíritas Reflexões sobre a caridade