Ciências da Religião

Ciências da Religião

por Alexsandro M. Medeiros

lattes.cnpq.br/6947356140810110

postado em jan. 2018

            Ciências da Religião é uma área das ciências humanas ou ciências sociais cuja origem remonta ao século XIX, o mesmo período de surgimento das chamadas ciências sociais, e se dedica a estudar com profundidade científica, quer dizer, de modo empírico, as religiões existentes no mundo. “De acordo com uma expressão metafórica de Udo Tworuschka, a Ciência da Religião é ‘a filha emancipada da Teologia’” (1975, p. 191 apud USARSKI, 2003, p. 14).

            Usarski (2003, p. 21) ressalta que  “os primeiros dois autores que usaram essa designação [ciência da religião] foram Abbé Prosper Leblanc (1852) e R Stiefelhagen (1858), porém não no sentido estrito como no caso do orientalista alemão, Max Müller”. Desta forma, reconhece-se sua origem a partir dos estudos do alemão Friedrich Max Müller (1823-1900), entre as décadas de 1850 e 1870 “formado em Paris por Eugène Burnouf e desde 1854 contratado pela Universidade de Oxford como indólogo e filólogo” (USARSKI, 2003, p. 21). O livro Mitologia Comparada (1856), de Max Müller, é considerado como o precursor do que viria a ser, em poucos anos, a ciência da religião. Já as obras Chips from a German Workshop (1867–75, 5 vols.) e a Introdução à Ciência da Religião (1873) de Max Müller marcam o início explícito dessa ciência. “No horizonte da institucionalização de uma série de novas matérias universitárias [...] Müller declarou no prefácio do seu livro Chips from a German Workshop (1867) que o termo Ciência da Religião devia ser reservado para designar uma disciplina autônoma” (USARSKI, 2014, p. 145). Em seguida é lançado a mega obra Livros Sagrados do Oriente [The Sacred Books of the East] (entre 1879 e 1898), que é o primeiro grande compêndio de história das religiões organizado de forma conjunta e sob um plano acadêmico e secular unificado.

Deve ser consenso considerar Friedrich Max Müller (1832-1900) o pai da Ciência da Religião. No entanto, ele era um filólogo, especializado na religião da Índia, especificamente nos textos do Rig-Veda, os textos mais antigos sobre a religião que se tem notícia. O estudo de textos concentra boa parte dos estudos de religião, mas não pode se resumir neles (GRESCHAT, 2006, p. 50).

            Rodrigues (2013, p. 233) destaca ainda dentre os pensadores que contribuíram com os estudos no campo das Ciências da Religião:

Cornelius Petrus Tiele (1830-1902) para quem devia-se abordar a religião a partir das suas características manifestas (Elements of the Science of Religion, Gifford Lectures, 1896-1898) e, Pierre Daniel Chantepie de la Saussaye (1848-1920), conhecido por conceder particular atenção às questões relacionadas à origem da religião e sua essência, as quais não corresponderiam a mesma coisa, bem como “primitivo” não seria sinônimo de essencial (Manual of the Science of Religion)

            Chantepie de La Saussaye é autor de Manual de história das religiões, publicado em 1878. “O trabalho de Saussaye permanece no âmbito histórico-comparativo, inscrevendo-se dentro do aspecto descritivo e classificatório das religiões, objetivando marcar o momento sistemático de sua reflexão” (FILORAMO, 1999, p. 44 apud FARIA, 2016, p. 28).

            É preciso destacar ainda os trabalhos de: G. van der  Leeuw, autor de Phenomenologie der Religion em 1933 (em inglês Religion in Essence and Manifestation, publicada em Londres em 1938); Rudolf Otto, autor da obra O Sagrado; e Mircea Eliade, historiador das religiões e autor de uma vasta produção intelectual nesta área.

            A primeira cátedra de História Geral da Religão foi fundada em 1873 na Universidade de Genebra, Suiça. Em um período aproximado de 10 anos seguiram-se mais sete cátedras, como destaca Usarski (2014, p. 145):

Em 1877 seguiram quatro cátedras nas universidades holandesas de Amsterdã, Leiden, Groningen e Utrecht. Em 1879 foi inaugurada a primeira cátedra em História das Religiões na França, seguida por uma cátedra na universidade de Bruxelas, Bélgica (1884). No mesmo ano surgiu em Roma a primeira cátedra de História das Religiões.

            Cornelius Peter Tiele (especialista em história da religião da Babilônia e do Egito) e Daniel Chantepie de la Saussaye (estudioso da fenomenologia da religião) foram contratados, respectivamente, pela universidade de Leyden e Amsterdã. “Ambos são freqüentemente citados como pais da disciplina e formam junto com Max Müller a tríade de fundadores da Ciência da Religião” (USARSKI, 2003, p. 23).

            As Ciências da Religião é tradicionalmente dividida em sub áreas como história das religiões, sociologia da religião, psicologia da religião, antropologia das religiões e religiões comparadas.

[...] a Ciência da Religião consagra-se pela possibilidade de abordar a religião sob diferentes eixos temáticos, os quais representariam as perguntas que a área teria dirigido ao assunto desde seus inícios, como a pergunta pela essência da religião, pela origem da religião, pela descrição da religião, pela função da religião, pela linguagem da religião e pela comparação das religiões (RODRIGUES, 2013, p. 232).

            Essa divisão faz com que as Ciências da Religião sejam uma área marcadamente interdisciplinar:

linguagem e religião, história das religiões, fenomenologia da religião, sociologia da religião, psicologia da religião e filosofia da religião. A lista de disciplinas envolvidas poderia ser muito ampla, a delimitação feita já mostra que o tema religião exige diversidade de abordagens, com cada ciência trazendo questões novas e pertinentes (FARIA, 2016, p. 12).

Referências

FARIA, Paulo Antônio C. Teologia e ciências da religião no panorama acadêmico brasileiro em diálogo com Paul Ricoeur. Tese (Doutorado em Teologia). Departamento de Teologia. Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia. Belo Horizonte, 2016.

FILORAMO, G.; PRANDI, C. As ciências da religiões. São Paulo: Paulus, 1999.

GRESCHAT, Has-Jurgen. O que é Ciência da Religião? São Paulo: Paulinas, 2006.

OTTO, Rudolf. O Sagrado. Os aspectos irracionais na noção do divino e sua relação com o racional. Trad. Walter O. Schlupp. São Leopoldo: Sinodal/EST; Petrópolis: Vozes, 2007.

RODRIGUES, Elisa. Questões epistemológicas do ensino religioso: uma proposta a partir da ciência da religião. Interações – Cultura e Comunidade, Belo Horizonte, v.8, n.14, p. 230-241, jul./dez., 2013. Acesso em 17/12/2017.

TWORUSCHKA, Udo. Partner auf getrennten Wegen. Die Religionswissenschaft und die Theologie. In: Lutherische Monatshefte'. 14 (1975).

USARSKI, Frank. História da Ciência da Religião. Ciberteologia - Revista de Teologia & Cultura, Ano X, n. 47, p. 139-150, 2014.

____. O caminho da institucionalização da Ciência da Religião – reflexões sobre a fase formative da disciplina. Religião & Cultura, vol. II, n. 3, p. 11-28, jan./jun., 2003.

 

Espiritualidade e Política → Espiritualidade e Ciência → Ciências da Religião