Ave graúna

18/09/2019 10:17

(Luana Medeiros)


Há muito tempo resistiu percorrer caminhos

que não poderiam ser  conquistados

É como caminhar sem destino 

É Labirinto perigoso

Ave conquistadora, dominadora


Mas de que vale a pena

Resistir sem conquistar

Quem nasceu para vencer

Não perde


O destino é ave de rapina

E Ave Graúna perdeu para o engodo

Para o insano

Mas Asa ferida não é Asa quebrada 

Por isso, resiste, revoluta, luta


O caminho não tem preço

Não enxerga o começo

Nem o fim

Nem ledo engano


Ave Graúna, negra, branca, bela, sagaz

Cega, surda, ferida

Resiste

Vive

Ainda de pé

Se não pode percorrer

Vai apenas sobrevoar


E, baixinho, calma, mansa, machucada, eterna e voraz

Voará para sempre por esses caminhos

Porque Lindos sonhos de liberdade

Teceram-se sob essa imensa vereda verdejante.

 

A Política e suas InterfacesArte e PolíticaPoesia e Política  → Poesia →  Ave graúna