A Questão do Instinto

A Questão do Instinto

por Ariovaldo Batista

postado em out. 2018

 

INTRODUÇÃO

            No meu livro “Repensando o Universo”-Vol.I - O Universo e o Ser-Vivo, no cap. 1.1 – O QUE É A INTELIGÊNCIA, se falou também do “instinto” com uma “forma de inteligência”. O que segue é um aprofundamento do tema como ilustração, na forma de um artigo. É opinião pessoal.

            Foi dito que a inteligência é um fenômeno como a gravidade, a temperatura, a eletricidade etc., que percebemos através de seus efeitos, não temos recursos ainda para chegar às suas essências. A inteligência é algo como esses fenômenos que percebemos, mas não temos como chegar à sua essência, a não ser pela percepção de seus efeitos um deles é o PENSAMENTO, outro o CONHECIMENTO etc. Há diversas definições para instinto, uma delas seria a “inteligência inata”, ou a forma biológica da conservação da Vida etc. Mas o fato é que os seres-vivos, em particular, os animais, entre os quais o homem, NASCEM COM ESSA FACULDADE como se fosse inata.

            Há outras conotações a respeito. No ato instintivo não se percebe “intenção, reflexão ou premeditação”, as coisas “acontecem” como se fosse tudo automático. É dessa forma que a planta procura a luz, o animal que nasce procura os peitos da mãe, o pássaro logo começa a voar, a tartaruguinha procura a água etc. Uma percepção clara é que pelo instinto, o ser-vivo procura sua própria preservação como “vivente”, como se fosse a percepção mais forte do instinto. Não temos como saber sobre sua essência, mas são claros os vestígios de seus efeitos, como a eletricidade que não sabemos de onde vem, mas sabemos que onde ela está, APERTAMOS UM BOTÃO E A LUZ SE ACENDE!

            Outra percepção que decorre de nossa capacidade de observar, parece que os seres-vivos através do instinto SÃO QUASE PERFEITOS NAQUILO QUE FAZEM. O colorido das flores, a forma como a planta cresce procurando a luz, as formas como os animais se comportam e agem etc. nos impele a considerar que as ações e atitudes são quase perfeitas pelo instinto! No homem essa faculdade deixa um pouco a desejar, instintivamente o homem na maioria das vezes fazem “besteiras”, nos dando a impressão de que a “inteligência racional”, outra forma de inteligência, de certa forma “inibe” o instinto, o que é um fato, mas precisa ser entendido melhor, como se vai fazer na frente.

            Não sabemos como o “feto” adquire o instinto, mas com certeza não é a mãe que o gesta que lha dá! A ciência reducionista entende que inteligência seja um atributo da matéria, em particular do órgão cérebro, mas não sabendo como, contenta-se em admitir como mero enigma, que da mesma forma na religião, se considera como “mistério”. Mas o fato real é que a percepção do mesmo é clara, evidente e factual, evidenciamos isso no nosso dia a dia. Entenda o automóvel e seu motorista. Depois que “aprende a dirigir”, faz tudo “automaticamente” como que por “instinto”. Mas é evidente que “aprendeu” a fazer isso. Instinto, por correlação, É UMA FORMA DE APRENDIZADO, em geral “antes de nascer” como ser-vivo!

            Como surge o instinto? Sabemos que “surgiu com o próprio ser-vivo”, e se considerarmos que a Terra é habitada praticamente desde seu surgimento, no tempo, vamos dizer que surgiu junto com as vidas “primordiais”, talvez dos micro-organismos. Qualquer ser-vivo “nasce” sabendo por instinto, que é a evidência de que é “vivo”! E vimos no meu livro que a inteligência é uma evidência de “ser-vivo”, outra é de realizar trabalho. Desde que o ser-vivo nasce, COMEÇA A TRABALHAR PARA VIVER POR “INSTINTO”!

            Então sabemos o que o instinto, pelos efeitos que decorrem da sua existência, mas que só o homem pode perceber isso, À MEDIDA QUE EVOLUIU COM SUA PRÓPRIA INTELIGÊNCIA. Nenhuma outra espécie precisa sequer saber se existe ou não o instinto, e até mesmo o “homo-sapiens”, o homem também não precisou disso. Começamos a “perceber” o instinto a partir do Homem Adâmico ou Agrícola, e cada vez mais perceptível à medida que sua inteligência evoluiu. Hoje tratamos disso normalmente, ainda que não entendamos ainda o que seja. O instinto não teve origem na inteligência do homem, mas pode ser percebido através de sua inteligência, esse é o fato.

 

O CONCEITO DE INSTINTO

            Conceito é a ideia ou definição de algo. Como não se pode saber o que alguém pensa ou tem na “cabeça”, se fala em conceituar algo que no fundo é o que o ser-vivo teria na sua cabeça ou cérebro para fazer ou pensar algo. A ideia mais comum sobre o instinto é ser algo “automático” que hoje quase se confunde com algo “mecânico”. Os seres-vivos fazem isso a vida toda, como se fossem “máquinas automatizadas” e no fundo da questão, está o conceito, o fazem por “instinto”. Mas o que significa “ser automático”?

            Do ponto de vista do artefato humano é ter um sistema ou “processador” que faz a máquina funcionar como se fosse “automática”, isto é, por si mesma. Exatamente como o ser-vivo faz para viver, faz de forma “automática ou programada”! E surge novo termo mais moderno, AUTOMATIZAÇÃO DECORRE DE ALGUM PROGRAMA, que é típico da moderna máquina chamada “computador”. Máquina automática hoje é sinônimo de máquina com um “processador”, exatamente como o organismo vivo que tem um “cérebro”, nada mais que um computador.

            Podemos falar em “instinto” do computador? É a forma mais fácil de entendermos como funciona nosso cérebro, e por extensão nossa inteligência e instinto. Os primeiros computadores muito rústicos você precisava conhecer a “linguagem de máquina” para usá-lo e tinha que ser um hábil “programador”. Hoje qualquer bebê de 2 anos o usa! Simples, o computador além da “linguagem de máquina”, já sai com vários programas “natos”, como se fossem “instinto”. Você não precisa “pensar” para usar, é só “treinar”. É exatamente como funciona o “instinto” do ser-vivo, de forma muito mais complexa, mas é da mesma forma. Você não precisa saber o que os “circuitos elétrico-eletrônicos fazem na maquininha, precisa apenas “aprender” a apertar os botões corretamente ou usar os ‘dedos” correndo na telinha! É porque alguém sabe disso para você. Exatamente como você não precisa saber como os órgãos do corpo funcionam, precisa apenas usar seus membros e sentidos para “viver”. É coisa da espontaneidade da natureza, como dizem os evolucionistas? Crenças não se discutem! Se fosse até uma formiga poderia fazer e usar computador!

 

COMO ADQUIRIMOS O INSTINTO?

            É enigma para os cientistas porque estão assentados em seus dogmas de fé do equívoco evolucionista de que o “ser-vivo” é algo “casual” da natureza ou da matéria, mais dogmática do que acreditar que somos “vivos” por vontade e graça de Deus! Praticamente todas as religiões dizem que quem dá Vida ao ser-vivo é o espírito, ou alma ou seja lá que nome quiser. O outro grande enigma, este sim, É QUANDO O SER-VIVO COMEÇA A SER VIVO?

            Novamente fica muito mais fácil quando comparamos com nossos artefatos. Um automóvel com seu motorista AGEM EXATAMENTE COMO SE FOSSEM UM “SER-VIVO” inclusive inteligente. Tem a inteligência do motorista, isto é, O MOTORISTA CONSEGUE TRANSFERIR PARA O VEÍCULO SUA PRÓPRIA INTELIGÊNCIA! A pergunta óbvia de qualquer criança seria: E QUEM É O MOTORISTA DO MOTORISTA? A resposta óbvia que nenhum cientista QUER VER, É O ESPÍRITO, mesmo que esteja revelada em qualquer religião há milênios!

            A questão do instinto também nos pode ser mais compreensível analisando o próprio automóvel. O motorista “assume” o controle do automóvel, DEPOIS DE FABRICADO E PRONTO PARA RODAR. Mas suponha que ele “trabalhasse” na fabricação de seu próprio automóvel! E mais ainda, QUE ELE FOSSE CAPAZ DE FABRICAR SEU PRÓPRIO AUTOMÓVEL! É como se ele e o automóvel fossem um único organismo? Imagine Stephen Hawking na sua cadeira de rodas! E o automóvel “começaria a ficar vivo” quando esse motorista começasse a “assumir” o funcionamento de seus órgãos ou componentes! E quando o automóvel saísse da “fábrica ou da sua garagem”, tudo funcionasse como se “por instinto”! De quem? Do motorista? ENTÃO, INSTINTO É O “TREINO” DO ESPÍRITO COMO FUNCIONAR O ORGANISMO QUE SERÁ SUA “MAQUINA DE VIDA”!

            Mas o automóvel é fácil, É FABRICADO! E o ser-vivo não é? Vamos analisar o caso do homem. Um casal faz um ato sexual (um trabalho), une o esperma com o óvulo, e se “fabrica o ovo”, que é o “desenho” do futuro bebê, que vai ser “fabricado” no útero da mãe, que ‘trabalha’ para fabricá-lo durante 9 meses, formando o feto até nascer o garoto que será seu filho ou filha, OUTRO SER HUMANO VIVO. O que acontece também no útero da mãe? EM DETERMINADO INSTANTE, QUE NÃO SABEMOS, mas já “desconfiamos”, O FETO ‘COMEÇA A VIVER”, isto é, seu espírito ou alma começa a “participar de sua fabricação e funcionamento” e de forma tão real que o feto até já começa a “se comunicar” com sua mãe. Então, está claro que o “espírito” não assume seu “corpo” quando se faz o ato sexual, COMO AINDA PENSA OS SÁBIOS DA IGREJA CATÓLICA, mas em algum instante de formação do feto, COMO JÁ ENTENDE A CIÊNCIA! Exatamente como o motorista que “começasse” a trabalhar no seu carro, em algum instante que não é na concepção, MAS QUANDO JÁ HÁ ELEMENTOS SUFICIENTES PARA MONTÁ-LO!

            A Doutrina Espírita vai muito mais longe que a Igreja Católica, a decisão de um novo “ser humano” se faz numa “reunião no mundo espiritual”, entre o espírito que vai nascer, e o casal que o vai conceber, o ato sexual é apenas a forma de “selar” esse acordo. Não são os pais que escolhem o filho, MAS É ESTE QUE ESCOLHE OS PAIS, que podem ou não “assinar” o acordo. É ainda uma questão de crença, mas a razão nos diz que é muito mais “racional” do que acreditar que o ato sexual define o ser-vivo! Define o “organismo” que se tornará “vivo”! Imagine que pudéssemos participar da fabricação do automóvel que queremos, é quem quer que decide que automóvel quer! Acrescente-se, contudo, que o ato sexual é do livre arbítrio dos pais, daí o estupro não ser diligência do espírito a nascer, mas do casal que será seus pais, pouco importa a questão do matrimônio como lei humana.

            E durante toda a “produção do feto” seu espírito vai “aprendendo” como fazer funcionar cada órgão como o motorista que coloca em movimento todos os componentes do carro para fazê-lo andar. É COMO SE DEPOIS DE NASCIDO, ele não precisasse mais pensar nisso, COMO O MOTORISTA ENGENHEIRO QUE QUANDO DIRIGE NÃO PRECISA PENSAR COMO ENGENHEIRO, dirige “automaticamente”! Ficamos surpresos da coincidência? NÃO É COINCIDÊNCIA, acontece que o “projeto ou a lei” é a mesma, e para funcionar é preciso “cumprir a lei” ou as leis! Não há nenhuma coincidência de nossos artefatos serem de fato, CÓPIAS DE COISAS DA NATUREZA! É lei, simples como é.

 

COMO FUNCIONA O INSTINTO?

            Como o motorista assume o controle do seu carro? PRECISA APRENDER A DIRIGIR O CARRO. E o que significa “aprender”? Da mesma forma como aprendemos jogar ping-pong, escrever e ler, correr etc. etc., PELO TREINO! Se ensinarmos como jogar ping-pong a alguém, e se esse alguém não treinar, NÃO JOGARÁ O PING-PONG, simples como é. Pelo treino transformamos uma informação, NUM ATO DE FAZER ALGO, como se fosse “automaticamente”. A Vida é um “treino do trabalho de viver”, começamos a “treinar” quando nascemos e vamos repetindo esse trabalho até morrer. ISSO É VIVER!

            Já vimos que o “corpo humano” (ou de outro ser-vivo qualquer) é uma máquina. TODA MÁQUINA PRECISOU DE UM PROJETO E UM DESENHO PARA PODER SER CONSTRUÍDA. Como lei ou regra NÃO É O FABRICANTE E NEM O USUÁRIO QUE PROJETA O ARTEFATO QUE USAMOS da mesma forma que não é o “espírito que usa”, que projetou ou fez o “corpo” que vai usar, e que, na realidade, foi “fabricado” pela mãe na gestação! No caso do homem, seu projeto foi feito há bilhões de anos “por espíritos” (não teria sido Deus porque senão seria perfeito, e não é), os pais fazem o “desenho” (DNA), e a mãe “fabrica” o feto até nascer! Outra coincidência? NENHUMA, APENAS AS MESMAS LEIS!

            Assim, o instinto funciona exatamente como a inteligência do espírito para assumir o comando dos “órgãos do corpo”, inclusive, o próprio cérebro quando existe. As plantas não têm, e acredito que não sabemos se os vírus e bactérias têm, mas se não tiverem, VIVEM COMO AS PLANTAS. Nossas máquinas como teares e máquinas gráficas até pouco tempo, eram extremamente “automáticas” e não tinham um processador computadorizado como cérebro! As “espécies” com processador foram uma “evolução” das primeiras máquinas sem “cérebro” algum, e funcionavam perfeitamente como se “tivessem”! Não é o cérebro que “dá Vida”, ele apenas permite que o ser-vivo viva sob certas circunstâncias! A forma mágica do instinto funcionar é pelo “treinamento” ou repetição do mesmo ato, é exatamente assim que nosso “instinto” funciona, e forma no que entendemos nosso “subconsciente ou inconsciente”! O que fazemos de fato é cópia da natureza, e não por coincidência, mas por para funcionar, precisa de seguir a mesma lei.

            Por que os animais são “mais precisos” nos seus atos instintivos do que o homem? O homem tem a capacidade de “modificar” seu inconsciente, coisa que as demais espécies não têm, pelo menos naturalmente. Mas não mudamos a forma de viver de nossos animais domésticos? Até estamos mudando seu “tempo de vida”, os bois morrem (sacrificamos) com menos de 2 anos, os frangos com alguns dias etc., isto é, estamos modificando a forma de Vida desses animais, o mesmo com as plantas etc.! A partir do “homem adâmico ou agrícola” o homem começou a “mudar também seu inconsciente”, de forma “consciente ou racional”. A questão da “precisão” do instinto está ligada à capacidade do que dizemos de “concentração”. Como o animal sozinho não consegue “mudar” seu inconsciente, e o homem pode, ESTE SE TORNA MENOS CONCENTRADO NO QUE ESTÁ FAZENDO, por isso se torna “distraído”, e fica “impreciso”. Imagine quando você está dirigindo. Deveria estar concentrado na direção, MAS ESTÁ PENSANDO NA DÍVIDA PARA PAGAR, NA NAMORADA etc. etc. As demais espécies são muito mais “concentradas” naquilo que estão fazendo, NÃO TÊM A FACULDADE INTELECTUAL DE MUDAR O QUE FAZEM. Pela hipnose, conseguimos retornar à nossa forma inicial de “concentração plena”, como se imobilizássemos nosso consciente!

            Então, como podemos ver, tudo na Vida é compreensível quando queremos entender, fica difícil quando queremos ‘saber’  através de dogmas de fé equivocados, tudo se torna um mistério ou enigma! Quando ficamos “sabendo” dessas coisas? QUANDO ALGUÉM NOS ENSINA, esse é o segredo da revelação. Acontece que a capacidade de revelar, depende também da evolução do “espírito” que revela, e para isso também tem que “aprender”. E o aprendizado é no tempo, DEPOIS QUE ERRAMOS NA REPETIÇÃO DO QUE FAZEMOS. Os grandes reveladores (os sábios) são aqueles que “iniciam” um processo novo de aprendizado. Na Terra temos notado a evolução da humanidade através de “safra de sábios” em vários campos, que tempos a tempos “invadem” como homens sábios. Assim surgiram as “religiões”, depois os sábios gregos e Cristo, o capitalismo, a ciência, a Revolução Industrial etc. etc. No fundo, precisamos do nosso “instinto” para isso, que é apenas uma forma de expressar ou evidenciar a inteligência.

            Simples de entender? É como subir no pau de sebo da Xincana, FÁCIL DE ENTENDER, MAS MUITO DIFÍCIL DE FAZER. Para entender precisamos apenas de evoluir com a inteligência, PARA SABER E FAZER, precisamos “trabalhar”, porque para saber e fazer PRECISAMOS DOS CONHECIMENTOS! Do ponto de vista da especialização, a religião nos permite entender, a ciência nos permite fazer, e as artes nos permitem “evoluir” até o Infinito, que nos tornaria como “Deus”! O que a humanidade precisa através das instituições e evolução do espírito, é de fato COLOCAR CADA MACACO NO SEU GALHO! O paradigma de todas as religiões é: SE VOCÊ FOR MELHOR, A SOCIEDADE TAMBÉM O SERÁ. Da ciência é desvendar as leis da matéria, porque é através da matéria que nos tornamos melhores. E das artes, o cumprimento da lei do Mundo Espiritual da eterna evolução do espírito em intelecto (ciência), moral (leis da religião) e ética (fazer sempre o melhor), simples como é!

 

Espiritualidade e Política → Espiritualidade → A Questão do Instinto